Debates e estudo de temas relacionados a Direito e Processo do Trabalho. Livros, e-books e materiais jurídicos. Pesquisas e críticas acadêmicas. Democratização do ensino. Concursos públicos. Finalidade altruística e vocacional.

terça-feira, 9 de fevereiro de 2016

Fator idade: complicador ou potencializador?


Fator idade: complicador ou potencializador?


 Dando continuidade aos esclarecimentos de dúvidas encaminhadas por nossos seguidores, trazemos à baila uma pergunta corriqueira e bastante interessante sobre o fator idade nos concursos para a magistratura trabalhista. Esperamos que este texto sirva de incentivo para aquelas pessoas que acham que não possuem mais idade para se tornar juízes do trabalho.

Bom dia, advogo há 15 anos na área trabalhista é uma grande paixão e vejo um sentido enorme de valor social no Direito do Trabalho. Tenho 51 anos de idade, e estou pensando em fazer concurso para a Magistratura do Trabalho ou MPT. É possível me orientar se a idade seria um "complicador" no processo de avaliação?

 Primeiramente, obrigado pela confiança. É com muita satisfação que respondo dúvidas como a sua, sempre no intuito de estimular pessoas vocacionadas para o cargo de juiz do trabalho.

 Pelo pequeno relato apresentado, acredito que você tenha uma carreira admirável na advocacia trabalhista. Tal militância, ainda mais com a paixão externada, é digna de muitos elogios. É certo que o advogado é indispensável à administração da justiça, sendo considerado o primeiro juiz da causa. O fornecimento de uma tutela jurisdicional justa conta com a cooperação e o trabalho incessante dos advogados.

 Por outro lado, a carreira da magistratura trabalhista, na minha modesta opinião, precisa de pessoas realmente vocacionadas de seu intento social e com determinada experiência para o ofício. O julgamento aquilatado perpassa por uma profunda reflexão do impacto social de sua sentença. É necessário um senso de responsabilidade aprimorado para que a decisão surta o efeito específico que a comunidade local espera de um julgador. Não é uma profissão fácil, mas imensamente gratificante.

 Respondendo ao seu questionamento, a sua idade não é um "complicador", muito pelo contrário, é um "potencializador". Nunca é tarde para galgar novos caminhos e buscar a realização profissional. Muitos candidatos não possuem a vasta experiência que você tem e isso, com a devida orientação, pode ser um diferencial nos concursos públicos.

 Atualmente, tenho observado, principalmente nas provas orais, tanto da magistratura quanto do MPT, a constante exigência por parte dos examinadores de questões de ordem prática e do cotidiano verificado nas audiências trabalhistas. Este conhecimento empírico é adquirido por algum tempo de militância e, apesar de ser contornável pela dedicação e estudo diário, faz certa falta no início da carreira.

 Confie em você! Creio que o mais difícil você já fez: decidiu iniciar os estudos e prestar um dos concursos mais concorridos do país. Isso já é um grande passo inicial. Não desista, por mais complicado que possa parecer. Você, ainda mais com a vasta experiência adquirida na advocacia, com certeza pode ser juiz ou procurador do trabalho, basta estudar com afinco, persistir, não se abalar com eventuais reprovações e aprender com seus erros. Não tem uma fórmula exata, mas a perseverança é alma destes concursos.

 Por fim, com o intuito de inspirá-lo e encorajá-lo para esta nova caminhada, deixo aqui um pensamento de Sigmund Freud: "Só a experiência própria é capaz de tornar sábio o ser humano."

 Obrigado pelo contato e espero que Deus o ilumine nesta caminhada.

Reações:

2 comentários:

  1. Excelência, abrir o link “magistradotrabalhista” e encontrar esta pérola de artigo foi um sinal maravilhoso em minha caminhada. Obrigada ao seguidor que expôs o questionamento e ao Senhor que nos iluminou com suas palavras. Vamos seguindo!

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...